Aqui falo de mim, dos que amo, dos meus sonhos, das minhas alegrias e tristezas e de tudo o que gosto...ou não.
.posts recentes

. Saudades

. FELIZ DIA DA MÃE

. DE VOLTA? TALVEZ

. PAI SE É POSSIVEL...

. Morreu em HOMEM!!!

. SINA ...(?)

. EM TEMPO DE PÁSCOA E REFL...

. PARABÉNS FILHO

. PASSARAM-SE 34 ANOS

. EU MORO NA BRANDOA...

.arquivos

. Março 2018

. Maio 2013

. Fevereiro 2013

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Novembro 2008

Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009
A MENINA QUE TINHA MEDO DO VENTO

 Pouco tempo depois de ter começado a trabalhar na Escola coube-me o serviço da portaria.

Um dia, em que fazia bastante vento, comecei a ouvir o choro aflitivo de uma criança. Pensei que algo muito grave estava a acontecer mas não. Apercebi-me que essa criança vinha em direcção à Escola pela mão de uma jovem aluna, que quase a arrastava atrás de si. A resistência que a criança fazia era enorme, quase tão grande como a determinação da mais velha em puxá-la.

Quando chegaram ao portão tive que intervir para saber o que se passava.

Nada de especial a não ser a pequenina ter medo do vento, a mais velha ter uma aula de educação fisica  a que não podia faltar e a mãe ter-se atrasado a chegar a casa.

 Consegui que a menina aceitasse ficar ao pé de mim, resguardada do vento, em vez de acompanhar a irmã.

Não foi fácil. A pequenina não me conhecia mas, entre ficar com uma desconhecida e suportar o vento que soprava, optou pelo que menos medo lhe metia. Eu.

Conversámos. Pensei que ela tinha apanhado algum susto, que tinha visto alguma desgraça na televisão, nesse ano tinham havido várias  mas não.

Tinha medo, pura e simplesmente.

Apesar do dia estar desagradável eu tinha a janela um bocadinho aberta e ela um cabelo loiro,comprido e lindo.

Lembrei-me de lhe dizer que não tinha por que ter medo porque o vento era amigo e até queria brincar com ela. Claro que não acreditou. Devagarinho, consegui fazê-la chegar mais perto da janela aberta para ela ver o vento a brincar-lhe com o cabelo.

Muito a medo fê-lo.  O vento levou-lhe o cabelo para o nariz, fazendo-lhe cócegas. Aproveitei para mais uma vez lhe dizer que era ele a brincar com ela. Mostrei-lhe o vento a brincar também com as folhas das árvores.

A pouco e pouco ganhou confiança, percebeu que não havia razão nenhuma para ter medo e, perante a surpresa de todos, quando a mãe chegou a menina estava no campo a ver o jogo da irmã.

Vim a saber  depois que esta menina até já tinha tido apoio clinico, sem resultado.

Um dia, bastante mais tarde, disse-me que a médica não tinha vento no consultório.

Pois é, esta menina entrou este ano na Faculdade.

Há dias foi à Escola visitar-nos, falámos disto, rimo-nos as duas. Não sei em que área entrou mas, se tiver sido para medicina espero que, se alguma vez tiver uma situação idêntica, se lembre de ter vento no consultório.

 

                                                                                                  

 

 

sinto-me: saudosa
tags: ,
publicado por rodrigando às 02:11
link do post | comentar | favorito
14 comentários:
De blogear a 21 de Outubro de 2009 às 09:30
Ola Linda

Acreditas que nunca tinha ouvido falar disto, ter medo do vento.

De certeza que essa menina, hoje jovem, nunca se vai esquecer do teu gesto, muito simpático.

Uma beijoca muito grande e um óptimo dia para ti

De rodrigando a 21 de Outubro de 2009 às 15:28
Querida amiga
Há fobias a todas as coisas que possas imaginar e,até, a algumas inimagináveis.
Do vento eu também não conhecia,como não conhecia a fobia às pessoas, à luz e a tantas outras que depois aprendi.
Deus naquele dia esteve comigo e inspirou-me para a ajudar. Se soubesses o medo que tive depois de saber que ela estava a ter apoio médico.Só pensava que podia ter estragado o tratamento clinico. Felizmente ela curou-se e isso é que foi importante.
De Rosinda a 21 de Outubro de 2009 às 11:06
OLÁ MINHA AMIGA, JÁ VEM DE LONGE ESSE SEU GEITO DE SIMPLIFICAR AS COISAS E TENTAR AJUDAR OS OUTROS A NÃO TEMER...
EXCELENTE SER HUMANO, SEMPRE PRONTA A AJUDAR, COMOVENTE ESSA HISTÓRIA , O VENTO A BRINCAR...
BEIJINHOS E ABRAÇÃO GRANDE
De rodrigando a 21 de Outubro de 2009 às 15:39
Querida Amiga
Se este foi um dom que Deus me deu tenho que o usar. E eu gosto de ser útil. Na altura não penso,apenas digo e faço o que sinto e se depois me apercebo que fui útil a alguém fico muito feliz. Uma das minhas características pessoais é a impetuosidade e reajo a muitas situações impetuosamente, só depois é que paro para pensar no que fiz e assusto-me. Já uma vez, num autocarro, fiz um ladrão dar-me a carteira que me tinha roubado e pedir desculpa. Cinco minutos depois tremia como varas verdes,nem conseguia falar.
De Rosinda a 21 de Outubro de 2009 às 22:36
Grande Mulher! Assim é que é!
beijinho
De cuidandodemim a 21 de Outubro de 2009 às 17:35
Mas que história tão doce e bonita :)
Sabe, eu tento fazer esses "truques" no hospital, sitio onde quase todas as crianças têm medo de tudo... Às vezes consigo minimizar o medo, outras vezes não, mas o que importa é tentar...
Bjns
De rodrigando a 21 de Outubro de 2009 às 18:32
Eu só percebi bem o que se tinha passado quando mais tarde ela me disse que a médica no consultório não tinha vento.
As crianças precisam de coisas práticas.Só palavras não chegam mas o Amor que sentem da parte de quem as conforta ajuda muito.Um beijinho grande para ti
De Sílvia a 26 de Outubro de 2011 às 17:53
Olá ,

Chamo-me Sílvia e calhei em ler este post por causa de uma pesquisa que fiz.
Pode ser irónico, mas desde de pequena que tenho medo do vento. Ainda hoje tenho, o que me afecta muito a vida. Já tive ajuda psicológica, durante uns anos, e resolveu parte do meu problema. Sim, digo parte, porque eu também tinha medo da chuva, da trovada e dos foguetes... Neste momento, o único medo que não consigo ultrapassar é mesmo o do vento.
Um dia, gostava de falar com alguém que sentisse o mesmo que eu quando está muito vento, para saber se também pensa as mesmas coisas que eu.

Gostei muito do texto, e principalmente de a tal menina já ter ultrapassado o medo.
Beijinhos. Sílvia Chorincas
De rodrigando a 5 de Novembro de 2011 às 20:55
Silvia
Desculpa a demora na resposta mas tenho o meu computador bloqueado há alguns meses por causa de uma actualização que permiti e me "limpou" tudo quanto lá tinha. Está a arranjar mas o arranjo não é barato.
Assim que me for possivel voltar falatei contigo com mais tempo mas dou-te um conselho,se me permites, quando estiver vento poe-te a uma janela. Deixa-o brincar com o teu cabelo... deixa-o afagar-te o rosto.Escuta-o e depois diz-me o resultado. Valeu?
Um grande abraço. Adélia
De Sílvia a 22 de Novembro de 2011 às 13:35
Olá,

Não faz mal, o facto de ter respondido já é muito importante para mim... Obrigado pelo conselho.

Devo dizer que tem sido muito difícil lidar com o vento ultimamente, e que este medo está a destruir-me aos poucos e não sei mais como o ultrapassar.
Chego mesmo a entrar em pânico, e isso assusta-me porque não consigo controlar o medo..

Um abraço, Sílvia.
De Aline martins a 17 de Janeiro de 2013 às 17:13
Nossa silvia , passo pela mesma situação, convivo com meu medo a 5 anos!
De Sílvia A. a 14 de Abril de 2013 às 16:22
Só se vence o medo enfrentando-o. Aos poucos conseguimos! O método da D. Adélia funcionou comigo, talvez também funcione convosco.
De Sílvia A. a 14 de Abril de 2013 às 01:03
O que mais hei-de dizer? Fiquei mesmo emocionada ao ler este post. Nunca me esqueci do que aconteceu!
Nesse dia perdi o medo do vento (também tinha medo da chuva e entretanto também passou). Tal como alguém escreveu aqui, ainda tenho medo da trovoada e foguetes. É algo que me deixa envergonhada, mas não consigo evitar. As fobias não se explicam! Há medos que não fazem sentido nenhum, mas as pessoas sentem-no.
E só uma coisa... Apesar de a minha mãe ter tido sempre o sonho de me ver como enfermeira, escolhi a Engenharia!
De rodrigando a 14 de Abril de 2013 às 02:08
Silvia A. - Passados tantos anos aqui estamos nós a falar do que passámos naquela tarde. Ler o que comentaste fez-me muito feliz e no final não consegui reter uma gargalhada. Enfermagem/Engenharia!!!
Leste os comentários?
Não sei se reparaste mas a Silvia (?) Chorincas, penso que se chama assim, dizia que gostava de falar contigo porque tinha o mesmo problema. Uma outra amiga, cujo nome não recordo, dizia o mesmo. Não sei se o conselho que na altura dei à outra Silvia resultou, espero que sim. Se quiseres contactá-las podes fazê-lo aqui, nas respostas aos comentários delas, porque elas receberão o teu comentário nos respectivos mails. Até sempre.Beijinhos.

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.favorito

. PAI SE É POSSIVEL...

. SINA ...(?)

. PASSARAM-SE 34 ANOS

. EU MORO NA BRANDOA...

. ILUSÃO

. REVIRAVOLTAS

. HOJE

. TVI - PORQUE A SOLIDARIED...

. ONTEM FIZ

. OFICIALMENTE...

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds