Aqui falo de mim, dos que amo, dos meus sonhos, das minhas alegrias e tristezas e de tudo o que gosto...ou não.



Contador de visitas
.Contador

contador

SELO À AMIZADE

.Os Meus amigos



Maripossa


:: Onix ::

San
Sentidos Proibidos Mª
Cuidando de Mim
Da Planície
Tina
Coisas de Mulher
Em busca da Felicidade



.posts recentes

. OFICIALMENTE...

. OFICIALMENTE...

.arquivos

. Maio 2013

. Fevereiro 2013

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Novembro 2008

Segunda-feira, 2 de Maio de 2011
OFICIALMENTE...

Estou reformada.

Quando recebi a noticia inicialmente senti-me feliz e liberta.

Há muito que tinha decidido que quando me reformasse faria voluntariado e mantenho a decisão.

Depois, ao ler a carta com a comunicação e os pormenores, senti-me triste e até revoltada.

Fiquei com uma pensão mais baixa do que o que estava calculado e ainda menos do que o ordenado, que já de si era baixo.

Eventualmente será alterado se comprovar que nos dois últimos anos descontei para aposentação e sobrevivência.

Eu sou (era) funcionária numa Escola, então como poderia não descontar? Então porquê o eventualmente? 

Como se isso não bastasse numa pensão de 466,00, desconto 3,14 para o Factor de Sustentabilidade para 2011.

O que é isto, afinal?

Eu sou (era) funcionária pública! É esta a minha reforma choruda?

Estive 12 anos desempregada. Toda a vida tinha estado atrás duma secretária mas quando surgiu uma oportunidade aproveitei-a.

Passei a ser "contina" numa Escola.

Se alguém estranhava eu respondia como sempre pensei - Não há profissões indignas, há pessoas indignas em todas as profissões.

Durante 15 anos exerci esta profissão com a mesma dedicação e profissionalismo que sempre tive.

Orgulho-me da relação que tive e tenho com alunos, colegas e professores: Respeito e camaradagem. Já tenho saudades.

Chegar ao fim da vida profissional e ficar com esta pensão faz-me pensar.

Não tenho dívidas nem grandes encargos.

Tenho filhos que em caso de necessidade me apoiarão, mesmo tendo filhos pequenos e os encargos de casais jovens.

Sei que há pessoas com reformas muito inferiores à minha e sem qualquer apoio. Como sobrevivem?

E, embora um pouco triste e revoltada, sinto que não sou dos mais desafortunados.

Estou reformada e livre. {#emotions_dlg.happy}Vou fazer o que quiser e puder... mesmo que com pouco dinheiro.{#emotions_dlg.bouquete}

publicado por rodrigando às 22:01
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
OFICIALMENTE...

Estou reformada!

A primeira reacção foi de alegria, de libertação.

Há muito tempo que tinha decidido que quando me reformasse faria voluntariado. E mantenho essa decisão.

No entanto quando comecei a analisar a carta com a comunicação fiquei triste e até um pouco revoltada.

Fico a receber menos do que recebia de ordenado que já de si era pouco.

Eventualmente poderá ser alterado se comprovar que nos dois últimos anos fiz descontos para aposentação e sobrevivência (?).

Sou (era) funcionária de uma Escola, seria possivel não os ter feito? Então porquê a eventualidade?

E, como se isto não bastasse, numa pensão de 466,00 ainda desconto 3,14 para o Factor de Sustentabilidade para 2011...

O que é isto, afinal?

Estive 12 anos desempregada. Quando tive oportunidade aproveitei-a. Toda a vida tinha estado atrás duma secretária e passei a ser "contina" numa escola.

Fui durante 15 anos a mesma profissional dedicada e competente que sempre tinha sido.

Quando alguém estranhava a mudança eu dizia o que sentia: - Não há profissões indignas, há pessoas indignas em todas as profissões.

Tinha e tenho orgulho na forma como me relacionava com professores, colegas e alunos. E já tenho saudades.

Eu sou (era!) funcionária pública. Então onde está a Reforma choruda?

Sem brincadeira: Ao fim de uma vida de trabalho eu vou viver com esta pensão. Não tenho dívidas nem grandes encargos.

Tenho uns filhos que se fôr preciso estarão presentes no auxílio, mesmo tendo a sua própria família e as despesas de casais jovens e com filhos.

Mas...e quem não tem apoios?

Há pessoas com pensões muito inferiores à minha. Como sobrevivem?

Apesar de tudo eu não sou das mais desafortunadas.

E estou livre para fazer aquilo que quiser e puder... mesmo com pouco dinheiro.

publicado por rodrigando às 20:59
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.favorito

. PAI SE É POSSIVEL...

. SINA ...(?)

. PASSARAM-SE 34 ANOS

. EU MORO NA BRANDOA...

. ILUSÃO

. REVIRAVOLTAS

. HOJE

. TVI - PORQUE A SOLIDARIED...

. ONTEM FIZ

. OFICIALMENTE...

.tags

. todas as tags

.Música
Música
The Prayer - Celine Dion
.subscrever feeds