Aqui falo de mim, dos que amo, dos meus sonhos, das minhas alegrias e tristezas e de tudo o que gosto...ou não.



Contador de visitas
.Contador

contador

SELO À AMIZADE

.Os Meus amigos



Maripossa


:: Onix ::

San
Sentidos Proibidos Mª
Cuidando de Mim
Da Planície
Tina
Coisas de Mulher
Em busca da Felicidade



.posts recentes

. PARDALITOS

.arquivos

. Maio 2013

. Fevereiro 2013

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Novembro 2008

Segunda-feira, 11 de Abril de 2011
PARDALITOS

Passei o dia de ontem na Reboleira, com os filhos mais velhos e os netos mais pequeninos. Depois do almoço resolvemos ir ao Parque Infantil, que fica mesmo ao pé da casa deles.

A tarde estava quente e ensolarada. Como o parque fica numa praceta, as copas das árvores protegem-no do sol e os prédios do vento.

Normalmente está cheio de crianças, na sua maioria romenas, o que por vezes se torna um problema porque, como são sempre muitos, revezam-se nos baloiços e não deixam as outras crianças andar. Quase sempre é necessário um adulto impor-se para que um deles ceda o lugar e sempre de má vontade.

O dia de ontem foi como os outros,  embora o Gonçalo tenha ficado com a cara arranhada por uma pequenina, tão pequenina como ele, que lhe queria passar à frente no escorrega.

Mas o que marcou o dia foi outro acontecimento.

A certa altura reparei num pardalito que esvoaçava num ramo sem conseguir levantar voo. Por vezes ficava de cabeça para baixo, depois lá conseguia endireitar-se e ficar agarrado com as duas patinhas, para de novo voltar a cair. Quase parecia um morcego.

Fui ver de perto e acabei por perceber que ele tinha uma pata presa num fio que estava agarrado ao ramo.

A árvore era demasiado alta e não tinha ramos nem ramificações baixas que permitissem subir para o soltar. Alguém falou em chamar os Bombeiros mas foi motivo de riso: Por causa de um pardal?

Nós sentimo-nos impotentes para o ajudar. E fomo-nos embora sem coragem para continuar a vê-lo esforçar-se inutilmente para se soltar.

Não sei se cortou a patinha, como alguém disse e voou ou se morreu e ainda lá está pendurado. Não tive coragem para lá voltar. 

Só pensei que por vezes nós também somos pardalitos, apanhados nas armadilhas inesperadas que a vida tem.

Neste momento eu sinto-me um.

 

 

 

publicado por rodrigando às 17:59
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.favorito

. PAI SE É POSSIVEL...

. SINA ...(?)

. PASSARAM-SE 34 ANOS

. EU MORO NA BRANDOA...

. ILUSÃO

. REVIRAVOLTAS

. HOJE

. TVI - PORQUE A SOLIDARIED...

. ONTEM FIZ

. OFICIALMENTE...

.tags

. todas as tags

.Música
Música
The Prayer - Celine Dion
.subscrever feeds